16 de novembro de 2021

Obras de infraestrutura do Registro E iniciam na próxima semana (22/11)



A formalização da Ordem de Serviço foi assinada nesta terça-feira (16/11), na sede da Secretaria Estadual de Habitação

O sonho da casa própria dos contemplados com as 260 unidades habitacionais do Registro E está prestes a se tornar realidade. Nesta terça-feira (16/11), o Secretário Municipal de Governo, Rafael Morais, representando o Prefeito de Registro Nilton Hirota, esteve na sede da Secretaria Estadual de Habitação para assinatura de convênio com a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU) no valor de R$ 8,6 milhões para início das obras de infraestrutura dos lotes do Programa Nossa Casa.

“Esta é uma grande notícia para muitas famílias registrenses que estão aguardando há tempos o início deste empreendimento. Agradeço ao Deputado Federal, Samuel Moreira que articulou com o Governo Estadual maior agilidade na liberação deste recurso, uma vez que estava prevista a construção e financiamento pela Caixa Econômica Federal.”, destacou Nilton.

Essa contratação já faz parte do novo formato da modalidade Nossa Casa – CDHU “Nós dividimos a obras em duas etapas. A primeira etapa, que vamos começar agora, dia 22/11, é a preparação do terreno e a infraestrutura: água, esgoto, drenagem, asfalto, iluminação. Vamos deixar tudo pronto para, na sequência, licitarmos a construção das casas, tornando tudo mais rápido e acelerando as entregas”, explicou o Secretário Estadual de Habitação, Flavio Amary.

O novo formato da modalidade Nossa Casa – CDHU prevê primeiro a urbanização dos lotes e na fase seguinte a edificação das casas. Para conferir mais agilidade, a CDHU assumiu as obras, que serão executadas nessas duas fases.

O empreendimento será edificado na Rua Vera Lucia Rabelo da Silva no Jardim Paraná. As casas terão dois quartos, sala, cozinha, banheiro, área de serviço e área útil de 47,87 m2. O sorteio para a seleção das famílias ocorreu em 8 de agosto de 2020 e será mantido para este novo formato.

O financiamento dos imóveis seguirá os critérios da CDHU e as novas diretrizes da Política Habitacional do Estado, que preveem juros zero para famílias com renda mensal de até cinco salários mínimos. Assim, as famílias pagarão praticamente o mesmo valor ao longo dos 30 anos de contrato, que sofrerá apenas a correção monetária calculada pelo IPCA, o índice oficial do IBGE. A solenidade da Ordem de Serviço ainda contou com a presença do Presidente da CDHU, Silvio Vasconcelos e do Diretor Técnico da CDHU, Aguinaldo Quintana.

Top